Translate this Page

Rating: 3.2/5 (120 votos)


ONLINE
1



Partilhe esta Página

 

 


Efêmera Um Diário Secreto
Efêmera Um Diário Secreto

Efêmera Um Diário Secreto

 

A pedra do meu caminho

 

Diante da voracidade do tempo, nada sou. Todos os dias ele consome minhas horas e suga minha vida, deliciando-se com a tortura de matar-me lentamente.

Entrei nesse mundo sem pedir, e chorei por saber que está tudo errado. Tentarei em vão consertá-lo e torná-lo um pouco melhor para quando partir lembrem que, por aqui passei.

 

A breve vida passageira me torna uma pessoa apressada que não para. Para sentir, ou tocar.

Se for pego distraída nem sequer saberei a cor da roupa sem olhar para ela. Mas mesmo assim tentarei consertar o mundo.

 

 

Sou uma frágil criatura que se não alimentar meu ego todos os dias com elogios e mentiras sucumbirei em pouco tempo.

Meu livre arbítrio levou-me até a encruzilhada. E deixou decidir qual caminho seguir. Mostrou quatro direções diferentes, esquerda, direita em frente ou retornar.

Enquanto decido meu futuro a vida passa. O passado fica ali, a espreita, não quer ser abandonado.

 

Passa e repassa na tela do meu subconsciente mostrando as vantagens de viver com ele, retornando assim ao passado.. Dando a sensação de que retornar é mais seguro do que seguir em frente.

Nada e ninguém ajuda naquele momento que é só meu. Minha decisão, minha vida, meu futuro, minhas escolhas.

 

 

A incerteza traz medo e a vontade do regresso traz uma falsa segurança. Olhe para aquela pedra ali a poucos metros. O que será que tem embaixo dela?

Mas ali atrás havia uma pedra também e eu não vi o que escondia. Voltarei apenas para olhar embaixo dela.

E retornando descubro que nada havia ali, que já não tenha visto. Volto novamente até a encruzilhada.

 

Olhando em frente não sei em qual caminho está a pedra que despertou minha atenção e só resta escolher um caminho e torcer que seja aquele em que a pedra está.

 

 

Há flores no começo de uma das estradas, há um suave perfume que convida a seguir…Alguns passos adiante as flores já não existem, apenas mato, depois espinhos e, por fim, apenas o deserto.

Retorno a encruzilhada e tentarei outro caminho. Aquele ali ficou no passado. Mas e se tivesse seguido um pouco mais adiante. Teria encontrado um oásis, uma fonte de água cristalina e um lugar seguro para descansar? Seria aquele o caminho certo?

Havia nele uma pedra a poucos metros, ali no começo, passei por ela sem a ver? Ou ela estava além do trecho que segui?

 

08/12/16-Ironi Jaeger

Todos os direitos reservados